3/26/2007

Distante

Negro
presente.
Amanhã
talvez.
Dias sem sol,
sem nós, a sós.
Noites sem manto,
Pranto,
Cala o grito
sufocado.
Céu dormente,
estrelas cadentes.
Caminho à deriva,
exposta, crua,
distante.

(by Daniele)

Ps: Esse poema, nasceu a partir da leitura sentida
de um texto lúdico, intitulado como"Escurecido",
no dia 23/03/2007, do Nosso Amigo, Filósofo,
Cadinho RoCo. Foi tão despojado o texto do
Cadinho que eu senti e, esbocei a emoção
através dos versos.Convido à todos para
que conheçam os memoráveis textos
do Cadinho, no
Blog Cadinho RoCo.

19 comentários:

Guilherme disse...

Dani,
infinita é a beleza que constrói "cruamente" os versos.

beijos

Farinho disse...

Querida amiga Dani,

Está muito bonito este seu poema, hei-de visitar o blog do cadinho.



Beijoquinhas

o alquimista disse...

No sublime te li...


Beijinho

inspiração disse...

Está muito simples, mas muito bonito, é sempre um gosto passar por aqui.




Um abraço

Lobo disse...

Belo, gostei deste "caminho à deriva", ótimo blog, voltarei + vezes.

Cadinho RoCo disse...

Sinto-me tocado emocionado acariciado por gesto tão termo Daniele. A extensão do dizer promove estimula e propõe aproximação ida a cada instante universo de leitura. Isto é pura benção
Cadinho RoCo

Ora Anjo...Ora Lilith disse...

Amiga volteiiiiii...já estou com net de novo e voltando pra poesia.

Saudade

Hilda disse...

"Negro presente.
Amanha talvez."

Pungente presente!
Dani, tua sensibilidade é demais!
Beijos

Verde disse...

Nasci do sublime amor de um Deus e o azul do arco-íris, navego em um mar de luz, transformo cor em amor, sou aquele que te dirá onde pára o eco da palavra…

Profético beijo

Klatuu o embuçado disse...

Gosto da tua poesia... a estrofe de verso curto beneficia um certo minimalismo da contenção do sentimento...

Dark kiss.

Doces Poemas disse...

Olá!!
Vim passar para dar uma olhadinha e com certeza voltarei mais vezes.
Lindos versos e de grande sensibilidade.

Tina disse...

Oi minha querida!

Ficou lindo, real, sentido. Lindo.

Cada dia que passa mais me encanta a tua poesia.

beijos poetisa predileta.

Sheherazade disse...

Dani,
É sempre um deleite vir aqui, pra te ler e sentir quão emotiva e sensível és, linda mulher das lindas palavras que tocam os nossos corações!

Beijo graaaaaaaaaaaande!

Lino disse...

Fico sempre surpreso de como o poeta se inspira. O que, imaginamos, nunca daria um poema, acaba gerando um. E belo como este.

Janine Bettencourt disse...

Que lindo!!
Tão profundo... tocante...
Às vezes me pergunto como posso ter a crueldade de achar bonita uma composição poética que transmite dor e tristeza... mas é mesmo assim a beleza que nossos olhos encontram na alma daqueles que escrevem!
Sonho,
Jana

Saramar disse...

Muito bonito, Dani!
Fiquei lendo e sentindo a dor, a escuridão que os versos transmitem.
Vou lá ler o Cadinho.

beijos

Lord of Erewhon disse...

Prefiro a tua poesia... ;)

Dark kiss.

Anna D' Castro disse...

Amada Dani, me perdoa a falta de notícias mas estou de mudança de apê e sem NET, lhe enviei um e-mail contando.
Ando numa loucura com esta mudança, não sei quando terei NET na nova casa, pois a rua ainda não tem cabos de instalação.
Mudança de casa é de deixar qualquer um de rastos...
Continua com esses poemas maravilhosos, sempre que puder aqui virei.
Beijokas, linda
Anna

Vera disse...

Querida Amiga Dani, o poema está lindíssimo e muito sentido mesmo.
O Cadinho é realmente genial. E um Amigo como poucos! Um filósofo que encanta com cada palavra, basta reflectir-mos um pouco sobre o que diz.
Mil beijos recheados de carinho!