6/25/2007

Investir na leitura, é dar formação ao povo...

No Egipto, as bibliotecas eram chamadas “Tesouro
dos remédios da alma”. A importância dada à leitura
era, para os egípcios, algo de muito precioso na
formação intelectual e social do seu povo.


Ao reflectirmos sobre as políticas que têm sido
implementadas no nosso país, facilmente chegamos à
triste conclusão que não será fácil afastarmo-nos
do pódio dos países europeus com menores
índices de leitura.

Segundo a APEL – Associação Portuguesa de Editores
e Livreiros, editam-se em Portugal por mês mil livros,
sendo na sua maioria edições de autores ou de
instituições que sequer chegam ao mercado do livro.


Ao sermos artífices da escrita e também, por vezes,
editor das nossas próprias obras, julgamos que tudo
isto se deve à difícil acessibilidade por parte dos
escritores menos mediáticos ao obscuro e até, por
vezes, pantanoso circuito editorial.

Para o mercado, é mais vendável um livro da chamada
literatura “cor de rosa”, do que um livro de poesia
ou um ensaio sobre história local. Ou seja, é preferível
encher os escaparates com “livros ocos” de algumas
vedetas televisivas, do que pôr à disposição dos
leitores obras de utilidade para a sua formação.

Este conceito leva-nos ao pensamento do filósofo alemão
Friedrick Nietzsche que a respeito da importância dos
livros, dizia: “Os leitores extraem dos livros, consoante
o seu carácter, a exemplo da abelha ou da aranha que,
o suco das flores retiram, uma o mel, a outra o veneno”.


O incentivo à leitura, passa por um permanente
investimento na preservação das próprias raízes
históricas e na restruturação dos conceitos de
políticas de apoios, não se esquecendo os mais
jovens leitores.

A urgente existência de bibliotecas em todas as
escolas do ensino primário, onde para além dos
autores portugueses curriculares, deveriam também
ter um espaço destinado às obras de cariz local,
importante fonte de cultura e saber.

Nesta última vertente, é digno o contributo de
algumas autarquias (municípios ou juntas de Freguesia)
que mesmo sendo vítimas de cortes na “Lei das Finanças
Locais” por parte do Governo Central, têm
desempenhado uma importante contribuição à
leitura e à divulgação de novos valores,
com o apoio e edição de obras
de autores locais.

Creiam caros leitores, que ler é fazer amigos,
rodearmo-nos de pessoas fascinantes, a quem se
tem acesso sem bater à porta; bastando apenas
que voltar uma página e emergir no imaginário
mundo da escrita e quem sabe se a partir desse
momento, não iniciamos uma nova era na nossa vida.


ARTUR VAZ

Extraído do livro de crónicas em preparação
“Entre Aspas e Reticências”

11 comentários:

Miosotis disse...

Sempre bom passar por aqui...
Boa semana.
Beijos e miosótis

Guilherme disse...

Artur parabéns pelo texto e na mesma situação encontra-se o Brasil.

Daniele disse...

Mestre e amigo Artur Vaz,

Excelente texto em que evidência a necessidade de investir na leitura. No Brasil há uma necessidade emergencial do investimento oficial em livros, pela distribuição gratuita de obras importantes da nossa literatura nas escolas, vejo com pesar a ausência de políticas públicas no que se refere à formação de leitores, à promoção da leitura; não há um investimento efetivo para dinamizar o acervo distribuído pelo FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, que vem a ser uma autarquia vinculada ao MEC). Existem iniciativas isoladas e "heróicas", que não recebem o apoio devido, pois não são vistas como "áreas prioritárias" para os órgãos financiadores.

E com isso as novas gerações vão ficando mais carentes e menos preparadas, pois sem a leitura, não há como se preparar alguém, pois é através dos livros que aprendemos sobre a nossa história e sobre a história mundial. Um povo sem embasamento é um povo destituído de educação. Infelizmente essa é a realidade do Brasil.

Beijos,
da amiga e admiradora
Daniele

Fúria das Águas disse...

Arthur precisamos ter esta disposição de livros aqui, de forma que todos possam ter acesso a leitura.O Brasil é carente disso.

Minha querida Dani deixo-te um beijo com carinho minha amiga.E um brinde a nossa amizade.
Furia

Sheherazade disse...

Pois é, Mestre!
Infelizmente, até na literatura temos que assistir à invasão do chulo em detrimento de obras que possam contribuir com o nosso desenvolvimento cultural. Uma pena!
Danilinda, um beijão pra ti, preciosa!

Ricardo Rayol disse...

Só título já bastaria. Fantástica lição. Pena que por aqui a coisa anda bem meia boca.

António Luis disse...

Mais uma belissima crónica do meu amigo e colega de escrita Artur Vaz. Este é fiel retrato de Portugal,no que diz respeito ao apoio à leitura e à formação do povo.
Gostaria também de manifestar a minha admiração pela determinação de Daniele Vasques em apoiar de uma forma sublime a obra deste grande Senhor das letras, que tanto tem feito para tornar a Cultura uma alavanca do progresso e da transformação do próprio Homem.
Força Artur Vaz, a tua obra já consquistou o nosso país irmão.

Vera disse...

Um livro é realmente um amigo.
Adorei esta "crónica"!

*♥*´¯`*Beijinhos*´¯`*♥*

hilda disse...

É a triste realidade de Portugal e Brasil.

O interessante é que estão, aqui no Brasil, muito preocupados com o analfabetismo digital e procuram levar a alguns jovens e até ainda às crianças, a oportunidade de ingressarem no mundo da informática. Sei que é necessário nos dias atuais, mas divulgar e incentivar a leitura é ainda mais importante e mais fácil e essa iniciativa não acontece.

Parabéns pela crônica, quem sabe algum "poderoso" leia e inicie um movimento que induza as crianças, os jovens e também os adultos a descobrirem o tesouro escondido nos livros.

Marco António disse...

Ler é penetrar no conhecimento da vida da Humanidade. Sem ler nada somos. Sem ler nada pode ser recordado e melhorado com a devida paixão pela Vida.

Abraço,
Marco António

Tina disse...

Oi minha querida !

Não poderia ter vindo de ninguém , além de você, tão linda menção/lição de vida e moral, afinal homens são livros ou vice versa. Certo?

Obrigada pelo carinho de sempre minha linda, tenha em mim uma eterna admiradora. Você merece.

beijos e lindo dia!